Perguntas de Temas Bíblicos

Cristo asperge sangue literal em Sua ministração no santuário celestial?

Sangue precioso

Cristo asperge sangue literal em Sua ministração no santuário celestial?

Alberto R. Timm

No cerimonial típico do Antigo Testamento, a ministração do sangue dos animais sacrificados era geralmente restrita ao próprio altar de holocausto, localizado no pátio do santuário. O sangue podia ser aspergido “em redor sobre o altar” (Lv 1:5 e 11), posto “sobre os chifres do altar” (Lv 4:25, 30 e 34; 8:15; 9:9; 16:18), escorrido “na parede do altar” (Lv 1:15; 5:9) ou derramado “à base” daquele altar (Lv 4:7, 18, 25, 30 e 34; 5:9; 8:15; 9:9). Porém, nos casos especiais de pecado “por ignorância” de algum “sacerdote” ou de “toda a congregação de Israel”, parte do sangue de um novilho sacrificado era levada para dentro do Lugar Santo, aspergida sete vezes “diante do véu do santuário” (Lv 4:6 e 17) e posta “sobre os chifres do altar do incenso” (Lv 4:7 e 18). O restante do sangue era derramado “à base do altar de holocausto” (Lv 4:7 e 18). Já no cerimonial anual do Dia da Expiação o sangue do novilho e o do bode para o Senhor eram aspergidos no Lugar Santíssimo sobre o “propiciatório” e “diante dele” (Lv 16:14 e 15).

Por sua vez, no cerimonial antitípico do Novo Testamento, o sangue de Cristo deveria ser “derramado” sobre a cruz e o monte Calvário, por ocasião de Sua morte, para “remissão” dos nossos pecados (Mt 26:28; Mc 14:24; Lc 22:20; Jo 19:34). Após Sua ascensão, Cristo entrou no santuário celestial “uma vez por todas”, pelos méritos do Seu próprio sangue, havendo obtido “eterna redenção” (Hb 9:12). A Bíblia nos diz também que é o sangue de Cristo que “nos purifica” ainda hoje “de todo pecado” (1 Jo 1:7; ver também Rm 3:24-26; 5:9).

O sangue de Cristo foi vertido literalmente na cruz do Calvário como evidência concreta de Sua morte vicária pela nossa salvação (ver Rm 6:23). Mas isso não implica que devemos crer que Cristo só poderia ministrar em nosso favor no santuário celestial (Hb 4:14-16; 8:1 e 2) se esse mesmo sangue fosse recolhido da superfície do Calvário e transportado para um recipiente especial desse santuário. Algumas pessoas chegam a sugerir que o sangue de Cristo, para ser aspergido literalmente já por quase dois mil anos, vem sendo multiplicado no Céu de forma sobrenatural; ou, então, que o próprio Cristo continue abastecendo esse suposto recipiente com novo sangue vertido ainda hoje de Suas veias ou artérias. Tais teorias especulativas conspiram, em realidade, contra o fato de que é apenas o sangue de Cristo vertido na cruz do Calvário, não multiplicado e nem renovado, que pode nos redimir de nossos pecados (ver 1 Co 1:17-25; 2:2; Gl 6:14; Hb 7:27; 9:14 e 28).

Não resta a menor dúvida de que são os méritos da morte de Cristo na cruz e a eficácia de Seu sacerdócio no santuário celestial que nos asseguram a salvação presente e eterna. No Apocalipse, Cristo é descrito metaforicamente como o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13:8) e como estando “vestido com um manto tinto de sangue” (Ap. 19:13). Além disso, somos instados pelo próprio Cristo a comer a Sua carne e a beber o Seu sangue para obtermos vida eterna (ver Jo 6:53-56; 4:14). Também os vencedores que estarão com Cristo no Seu reino da glória são descritos no Apocalipse (7:13-15) como aqueles que “lavaram suas vestes e as alvejaram no sangue do Cordeiro”.

É obvio que esses textos não significam que devemos beber literalmente o sangue de Cristo e lavar literalmente nossas roupas com esse sangue. O que precisamos realmente é apossarmo-nos pessoalmente dos méritos do sacrifício de Cristo na cruz do Calvário. De modo semelhante, cremos que, desde Sua ascensão até o final dos tempos, Cristo ministra no santuário celestial os méritos do Seu sangue vertido na cruz, sem que isso exija a presença literal desse sangue naquele santuário.


Fonte: Sinais dos Tempos, setembro/outubro de 2002. p. 30 (usado com permissão)


PDF: Cristo asperge sangue literal em Sua ministração no santuário celestial?